sábado, 11 de maio de 2019

o deus da asneira - tu sem mim não sou nada poesia heleno pinhal


quando a vida me faz caretas
demarco-me para o deserto
pego em ideias e canetas
e vou viver para o intelecto.

o sino bate o meio-dia
luz reflete na folha branca
uma torneira em romaria
para o altar da escrita santa.

jaula de histrião cintilante
tem palhaçadas na ementa
roupas da moda, elegante

Sem comentários:

Publicar um comentário