sábado, 11 de maio de 2019

frol - tu sem mim não sou nada poesia heleno pinhal


em cima desse teu ombro
onde o meu queixo caiu
o corpo virou escombro
e uma lágrima saiu.

a vida é mesmo assim, dizes
como fechas a torneira?
muito bem! não martirizas.
eu é que caio na asneira.

Sem comentários:

Publicar um comentário