quinta-feira, 9 de maio de 2019

Alaria - corpo de água poesia heleno pinhal


ar condicionado exigente
arrefece-me em demandada
quero a noite quente quente
desta cidade abandonada.

partir as letras em histórias
descrevê-las com enlevo
de salto alto nas memórias
umas senhoras, eu seu servo.

para casa que já é tarde
este físico bem merece
o meu cérebro pensa e arde
todo o corpo desaparece.

Sem comentários:

Publicar um comentário