terça-feira, 30 de abril de 2019

Comenos V - Aforismo II: O Leão - Comenos Helenísticos Heleno Pinhal 2003


Estrondeia o leão forte e majestoso. O rato já nem tanto, anda sempre metido no seu buraco como se devesse algo a alguém. Tem a ideia que não é gente e esconde-se sempre descontente.
E ambos assim vivem, conformados com eles próprios, indiferentes aos rumores asseverantes de que nada importa.
Esta é a realidade do rato, se for preto claro, porque se for branco já é amado. Parece uma questão de cor, mas não é. Está na natureza do seu meio. Preto, foge. Branco, mostra-te na montra da avenida.
Numa metamorfose imaterial, o leão permuta com o rato, branco ou preto tanto faz. Grande confusão no reino animal e na montra da loja ao dobrar a esquina.
Eu parava para observar um rato a mandar na selva e fugia ao ver um leão, no meu armário, à procura do meu queijo.
Vejo em cidades, em vilas e em aldeias combates de leões e sucessos inexplicáveis de ratos. Um leão ao querer ser rato inala um aroma humano e alheio à natureza. Mas também não há mal nenhum em ser um pequeno quadrúpede de cauda comprida e focinho bicudo.
A vida é como um balão cheio de água, tanto encaixa na minha mão como na tua.
Algo, no nosso âmago, nos coloca em repouso e nos desvia da necessidade. Eu tenho, tu tens, o inseto que ali está também tem e às vezes parece que está no próprio ar entrelaçando-se em tudo com vivacidade e encanto.
Encontro, no entanto, pessoas intricadas por dentro. Apagaram o seu estéril crepúsculo e transformaram o seu mundo numa cerimónia fúnebre. São felinos a querer ser roedores ou roedores à procura do poder real.
O leão é impetuoso e se quiser abafar isso, porque admira a humildade da gaivota, a submissão do vitelo ou a presteza da enguia, perde força e confiança, oculta-se e desvanece-se, porque a vida não sustenta destas manifestações desviadas.
Um ser impetuoso sabe lidar com isso porque é a sua natureza.
Espero sempre um ratinho feliz, mas pode ser gato, cão ou outro animal qualquer. Desprezar o que se é desfalece aos poucos a vida, com dores de cabeça, de costas e de alma.
Continuo a encontrar pessoas inimigas de si próprias. No palco do mundo calam a vingança e exaltam a brandura para recolher a medalha pública do controlo do homem. Depois, espezinhando a jactância, descem desse pódio mundano forçando pensamentos glorificantes da sua humildade. E perdem a fluidez. Abafam o seu interior, de tal forma, que a sua embarcação perde o vigor, perde a paixão, e ninguém gosta de viajar num barco que depende da maré ou de qualquer brisa ténue para oscilar, para borbulhar, para alentar a sua existência.
Eu meto tudo no seu sítio e quanto mais afastado estiverem, uns sentimentos na proa, outros na ré, mais eu olho para cada lado e os vejo felizes porque são meus, amo-os e aceito-os a todos.
Olha ali a incerteza e a prepotência a saltar de mão dada com a empáfia.
Ouço o desleixo a gritar com a responsabilidade. Ouço-os porque essas coisas estão cá dentro, mas nem reparo de que lado o grito vem. Saltam tão alto, a reclamar em voz alta com o megafone que ofereço a tudo o que tenho dentro, que sou impelido a olhar e a obedecer sem delonga.
Vou embora. Tenho coisas a fazer. Desleixo-me mais logo à noitinha.

Sem comentários:

Publicar um comentário