terça-feira, 30 de abril de 2019

Comenos III - Esboços - Comenos Helenísticos Heleno Pinhal 2003


Sinto por vezes algo de humano, anotava eu, ao passar no meio dos outros sem reparar. Pergunto o que se passa e nada, só vejo pernas a passar com pressa e olhares humedecidos cravados no chão encharcado.
Reparo em esboços deste mundo, quadros malfadados e de cores virulentas decorados com a retrógrada ideia da perdição humana. Esquecem o céu que reflete todos os sorrisos humanos e as nuvens brancas lançadas pelos poderosos sonhos dos ousados.
Critico tais pintores e seus fãs. Este quadro não me agrada! Juntei algum dinheiro e comprei tintas mais vivas. Depois, cravei os olhos no mundo e com o meu arredio feitio cobri uma tela com um aspeto bem mais aprazível.
E porque sofrer também é um prazer, mesmo sem se querer, utilizei umas cores de suspeita e outras de malquerer. Ainda tive tempo, antes de me chamarem, de misturar outros tons intrepidamente para realçar bem o rubor que enaltece o homem.
Usa-se tudo quando pretendemos representar por traços e cores as vicissitudes humanas e só o conseguimos sendo sempre nós próprios, sem dependências nem opressões de ninguém. Assim podemos enaltecer a natureza humana, exprimir ideias sem chatices e amar tudo e todos com todo o respeito que o amor merece.
Temos o que queremos e queremos o que temos, mostram-nos o contrário para criar a ilusão de que o que somos, o que temos e o que desejamos, é fruto dos outros ou é o que os outros permitem.
Eu basto-me a mim próprio. Tenho aquilo que quero e sinto o que me apetece e quando me apetece.
Insistem em não nos deixar ver. Criam à nossa volta um clima de instabilidade para nos obrigar a viver em comunidade, a engolir sapos de uns e sapos de outros e de cara alegre porque os tempos são difíceis e há guerra a qualquer momento.
Criticam os meus quadros, como se não tivesse o direito de me exprimir sem modelos de cores usuais e pincéis de preconceitos. Chamam-me louco. Dizem que são cores a mais, mas reparo que para amar o mundo só o conseguimos fazer se não dependermos dele.
Hoje pintei. Não com óleos, telas e pastéis, mas com o suor dos meus olhos em teclas negras desgastadas.
Com atenção e cautela na elaboração de algo importante sinto uma inquietação de espírito. Um cuidado minucioso, um estado de dúvida sobre a bondade ou ruindade das minhas ações. Gosto desta delicadeza de carácter. Ser zeloso, carinhoso e reto. Sentir esse melindre de suscetibilidade e por fim recear o pecado ou impiamente sentir a dúvida da incerteza junto à suspeita da desconfiança.
Queria dizer-vos bem alto o que sinto. Lançar-me como um cisne se lança no lago, mas temo os artifícios, temo não ser suave, natural, temo não aceitar a água como ela é, temo que seja pura demais, temo que não arrepie o meu coração.
Depois dizem que cerro os olhos, os ouvidos e suicido o meu sentir. Eu respondo que não sou masoquista, embora sofra por vezes não me habituarei a tal, esse vício jamais compactuará com a minha perdição.

Sem comentários:

Publicar um comentário