sábado, 12 de janeiro de 2019

Tenho um ser humano dentro – Incompleto Organismo de Heleno Pinhal

Nada sucede nesta noite moderna. No centro de muitas mesas os variados penteados luzem em redor. As colunas, decoradas com mau gosto, irritam os olhos que seguram estas palavras. Os temas saturam o acesso ao processamento da informação enquanto vozes de diferentes bocas chegam em estéreo aos ouvidos determinados a confundir a percepção. As boleias dadas a moças com óculos largos suscitam momentos de registo para o poderio feminino. Os estrangeiros questionam os sorrisos budistas caídos à nascença em vários caldeirões de felicidade. Rebrilham poncheiras, formam-se bacharéis, as roupas mudam com o tempo acirrado enquanto os beirais perdem o emprego incumbidos depois de manter os guarda-chuvas nos armários. Como se chamam aqueles homens que caçam borboletas? Têm um nome disfarçado!
Para levantar os olhos e dardejar um olhar de lado na moça em frente só necessito de os ter, não obstante, para cortar o cuspir parágrafos bem talhados é necessário que os seus olhos encantem. Não volto a soerguer a atenção e a cair de bruços em aturdimento. 
A política de mão dada com a moral anda às voltas na península.
2006-04-07, 23:30:42 h, Forum Aveiro

Sem comentários:

Publicar um comentário