sábado, 12 de janeiro de 2019

Potencial Calorífico– Incompleto Organismo de Heleno Pinhal

Tenho um vício pontual de desviar-me das pessoas e só descer as escadas velhas dos Leões da Floresta, arremessar com um café na boca e açoitar o meu corpo com o sol de fim de Outono.
Dois pinheiros decoram esta esplanada livre de transeuntes. O chão manchado com as cores das arcadas do Sº João combina com a irregularidade dos montes da Gardunha e os postes eléctricos alimentam os fios que os ligam em chicote. Os pássaros a refastelar a sua melodia abafam o ruído dos carros incensando o ar e a hora de ponta.
Catorze horas e vinte e três minutos e os pássaros calam-se para mostrar a sua importância. A tarde preenchida pisa este momento que me aquece. Não vás ainda, recebe este calor fumegante, observa as folhas no chão e memoriza os três gatos displicentes.
A serra da carpintaria intrometeu-se neste santuário ateu, e eu, desconfiado do passar do tempo, olho as horas, descruzo as pernas, aperto o casaco e deixo-me estar a garatujar sem pensar.
19 de Novembro de 2004, Covilhã, Leões da Floresta

Sem comentários:

Publicar um comentário