sábado, 12 de janeiro de 2019

Colado à parede da misericórdia – Incompleto Organismo de Heleno Pinhal


Andam rebentos ávidos de desimpedir o controlo do sistema nervoso. Duas horas de sono não suprimem as necessidades corporais, não encaixam nem desentopem a pressão que faço nos pés espantados com o andar de um lado para o outro. Se me refastelo numa cadeira, cómico, calmo, áspero, género pele de sardão jovial, recordo conversas incorpóreas que depois tomam forma e enchem o meu interior perplexo.
Este dia de final de Julho está chuvoso, solta o sol, o vento e o cheiro a terra húmida para que os corpos mais sagrados assombrem o desagrado de outros menos expeditos.
Quero o tempo, os gostos dos frutos da época, o aconchego das entradas das casas e os lábios prenunciais com os seus movimentos moderados. É costume driblar assim a minha face que sempre quente e a respirar aplaca as quatro pernas de ferro verde do assento a que estou colado.
Apodero-me desta mesa vazia e com os sentidos trémulos fico, sem levantar os olhos para o resto das coisas: piriscas apagadas, copos de água meios, chávenas com pacotes de açúcar desflorados e uma pequena gorjeta para o sorriso da empregada que é parecido com a noite de ontem.
28 julho 2005, Covilhã 16:04:52 h Verdinho

Sem comentários:

Publicar um comentário