sábado, 11 de maio de 2019

História Impaciente - farolas heleno pinhal


história impaciente

Faltam treze minutos para o jantar e sou convidado a contar uma história. Escolho um tema adequado e começo a desenhar.
Com a ajuda de vírgulas, acentos e sinais de pontuação, desenho frases direitinhas em ângulo recto com os pontos de exclamação. Leiam a história da impaciência e vão ver que ela nem sempre tem razão.
A vida é como um balão vazio. A impaciência sopra e o balão enche. Soltam-se os dedos do balão e um ar impaciente, porque era duma pessoa impaciente, sai e faz o balão voar. Voa o balão no pensamento, o ar saiu e misturou-se com o sentimento. Se já num estado normal ninguém percebe certos comportamentos, imaginem então com um balão cheio de ar a enrodilhar-se nos nossos bonitos pensamentos?
Pensamentos a balançar e o tempo a passar, umas vezes rápido e outras devagar. A impaciência anda aí metida, a regular o que o tempo faz à gente. Às vezes intimida tanto dia que ele passa como um coelho assustado, outras conserva-o quietinho e ele mal se mexe como um cágado descansado.
História impaciente
O balão esvaziou e a história da impaciência acabou. Acabou sem mais nem menos, porque os treze minutos não são eternos.
Vou jantar com mais agrado, com a cara que mais gosto, a cara de espantado.

Sem comentários:

Publicar um comentário