sexta-feira, 3 de maio de 2019

Comenos XX - O porquê de tanto alarido - Comenos Helenísticos Heleno Pinhal 2003


Esgoto-me em discursos violentos, exames minuciosos e disparates consistentes. Não que queira encontrar o motivo, mas ele apareceu enquanto puerilmente olhava o movimento de nuvens banhadas pelo sol de fim de tarde.
O raciocínio veio, suavemente como se ali não estivesse. O meu inconsciente utiliza-o como bandeja para me oferecer alimento. Não estava com fome, ando bastante aconchegado por dentro, mas o seu cheiro agradou-me e mastiguei-o com muito agrado.
Olho de novo as nuvens, outras por certo, que continuam a correr na mesma direção. Sou um desvairado, esqueci o que aprendi e tento recuperá-lo, embora sem persistência, pois daqui já não sai. Pensamentos destes têm ventosas e tentáculos com vida própria.
Abro o vácuo do desejo, tiro a goma da astúcia e com o escopro do meu querer cravo tudo na rocha do meu saber.
O motivo, o motivo de tanto alarido? Os motivos são fortes, movem qualquer coisa e são tão díspares como as faces humanas.
Mato a sede deste texto, com um crivo nas palavras, não para ludibriar os outros, mas para me esconder dos preconceitos do mundo.
Um truque que denigre a sinceridade humana, consiste em disfarçar para fora o que se sente cá dentro. Uns escrevem como um sonho, outros criam personagens menos nobres ou então registam pensamentos e logo afirmam ser um sonho ou uma divagação sem sentido.
Acontece, quando olhando a balança da moralidade pretendemos soltar coisas nossas para o papel. Pesamos o nosso sentir, com uma censura ditatorial, sempre com medo de magoar os outros ou perdê-los por falta de coerência social.
Foi uma nuvem que me disse. não fui eu que pensei. Ela gritou alto e toda a gente ouviu naquela praça.
Ri, enquanto olhava para o indicador dos transeuntes, porque não é nada disso. Não sei onde ela foi buscar tamanho desvaire.

Sem comentários:

Publicar um comentário