sexta-feira, 3 de maio de 2019

Comenos XVII - BI - Comenos Helenísticos Heleno Pinhal 2003


Estava naufragado no meu mundo quando fiquei macambúzio por pensar que por vezes sou desagradável e demasiado belicoso. Mostro uma coisa que não sou, sempre que o meu denodo cria à vontade para me distender.
Se afogo as ideias que querem sair, fico apático e procuro o constrangimento dos outros. Desejo que me toquem, que me abanem, que me mesclem na vida como o adoçante no café.
Desligo-me e reparo que embora o mundo não esteja saturado de mim, não deseja a minha mistura. Mas será possível ser açúcar em água amarga? Será inerente ao homem dar de si para subtrair um punhado de amargura do mundo e desaparecer nele? E depois? Acabou? Fica assim a sua história, sem vestígios e sem pegadas rupestres?
Bebi a mélica bebida e elogiei do seu sabor. Depois, aumentei a minha realidade e em pouco tempo passei de bem-aventurado a insurreto.
Querem que eu não cresça? Que seja sempre o ovo fecundado?
Há diversas formas de paixão, uns têm umas e outros outras. Admiro os que se sujeitam a perigos por uma paixão mesmo que esta traga necessidade. É a paixão que nos arranca das trevas da desolação e nos faz imergir.

Sem comentários:

Publicar um comentário