quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Esplanada presumida – Incompleto Organismo de Heleno Pinhal


Um início de tarde primaveril na cidade vaidosa. Por questões humanas, na altura destes montes, colocam-se vasos por todo o lado com o planeamento de mês e meio. Uma esplanada com nove vasos floridos obriga-me a sentar. O que quer? Conversa e mais conversa. Começa por mostrar como é quente e a única que sem chapéus-de-sol consegue resguardar os cabelos das suas companhias.
- Vai um café? – Pergunta a esplanada em tom de gozo.
Durante o tempo de espera a esplanada permanece calada como que a permitir o seu deslumbre. Chamo-lhe presunçosa, recebo o café cheiro e peço um cinzeiro.
- Ponha a cinza no chão!
É aqui que ergo a estátua deste dia. Uma pequena frase dum corpo de empregado foi como abrir das comportas a um dilúvio apoquentado ou a um touro ensanguentado. Mas o dia está de sol e as touradas não estão já proibidas?
A esplanada rebola sobre ela própria enquanto chegam as primeiras peças para a estátua do momento, peças de qualidade oferecidas pela estultice de Erasmo que aproveita para mostrar o seu reconhecimento a tal dádiva de boa graça. Os braços têm a cor da maneira que o garçon já de idade afirmou: “Ponha no Chão!” – disse aquilo rápido, como se fosse coisa só entre nós. Ponha a cinza no chão, dito daquela maneira faz rir qualquer fumador mesmo que não goste de cinzeiros.
O tronco do monumento é cedido pelo contra-senso. Depois de negociações bilaterais para a sua participação concordou sem garantias que na frase do corpo do empregado ele era o seu director.
Um crente dessa organização dirigiu-se a mim com ar devoto e sem cumprimentar a esplanada rogou-me pragas pela cinza que jogava ao chão, pelos olhares provocados aos transeuntes e pela minha falta de jeito em esconder tal atitude de engraxe.
28 de Março de 2004

Sem comentários:

Publicar um comentário